segunda-feira, maio 30, 2011

Eu disse Adeus ao Namoro

Mas como assim? Essa menina enloqueceu? Eu quero casar! Quero ser companheira, esposa e tudo o mais!
Calma meninas! Eu não vim destruir os sonhos das mocinhas casadouras de plantão, não sou nenhuma feminista contra casais, muito menos sou contra namoros ou casamentos, pelo contrário se existe algo  que defendo é a instituição do casamento. E falando isso, eu parto da premissa, que o namoro cristão visa o casamento.
“Eu disse adeus ao namoro”, é um livro de Joshua Harris, publicado em 2001, pela Editora Atos. Neste livro, Joshua aborda em 4 partes o namoro segundo os padrões de Deus. Aí você se pergunta: Padrões de Deus? Mas a Bíblia não fala nada sobre namoros. Não, não fala, visto que o namoro é uma característica da cultura pós- moderna ocidental, entrementes a Palavra de Deus é muito clara quanto a amor, pureza e responsabilidade.

Segundo, o autor, o que chamamos hoje de namoro cristão é um jogo cujo resultado são corações partidos na nave da igreja aos finais dos cultos. E cá entre nós meninas, por mais piegas que isso possa parecer, se não vivemos, pelo menos presenciamos, alguém ser magoada ou magoado por algum pretenso “amor de sua vida”.

segunda-feira, maio 23, 2011

Um testemunho de amor - parte 3


"Que veio Hanani, um de meus irmãos, ele e alguns de Judá; e perguntei-lhes pelos judeus que escaparam, e que restaram do cativeiro, e acerca de Jerusalém.
E disseram-me: Os restantes, que ficaram do cativeiro, lá na província estão em grande miséria e desprezo; e o muro de Jerusalém fendido e as suas portas queimadas a fogo.
E sucedeu que, ouvindo eu estas palavras, assentei-me e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive jejuando e orando perante o Deus dos céus."
Neemias 1. 3 e 4

Meninas tudo bem? Antes de mais nada, deixa eu esclarecer: Não, vocês não perderam nenhum post. "Um testemunho de amor" é uma série de posts que eu gostaria de escrever nos próximos dias (meses/anos, sem pressa) contando um pouco do meu testemunho e minha conversão. Tudo foi um processo longo, durou anos e ainda não acabou... A cada dia aprendo que preciso mudar uma série de coisas e me arrepender de outras tantas. E assim deve ser, portanto gostaria de compartilhar com vocês algumas experiência que mudaram a minha vida e fazem parte de tudo que sou.




Eu comecei pela parte 3, porque como vocês vão conhecer, eu priorizo a importância e não a sequência. E nesse caso, eu me sinto pronta para falar da 3ª parte.

17 anos. E eu me lembro de cada palavra, e mais ainda, me lembro do meu coração apertado. Me lembro da rebeldia de adolescente reaparecendo e deixando meu coração incomodado a um ponto que eu não pude me conter (a falta de maturidade não ajudava) e eu despejei sobre Deus toda a minha fúria e incompreensão, dizendo as mais amargas palavras que um pai pode ouvir da boca de um filho:

"Porque Deus? O senhor diz que cuida dos seus filhos, mas onde o senhor estava quando tudo isso aconteceu? Porque permites que usem teu nome? Era essa sua vontade? Porque o senhor permite isso? Eu não consigo compreender... E nem sei porque eu não consigo deixar de te amar. Sei lá, no fundo eu gosto do Senhor, mesmo que eu ache tudo errado. E digo de novo, está tudo, tudo, tudo errado."

Eu estava falando com Deus sobre como eu não entendia a maioria das coisas que eu via ao meu redor. Era o último ano do colégio e eu tive que estudar história (mais do que todos os outros anos) e eu sempre fui bastante sensível no que diz respeito a vida e a sociedade (vocês entenderam isso melhor na parte 1) e  isso me fez começar a ver o mundo com outros olhos. Até então, a minha fé era sem fundamento, e portanto, facilmente abalada. Ver as injustiças cometidas em nome de Deus, ver como a igreja se comportava (e continuava se comportando) diante de tudo isso e tantas outras coisas ruins, colocaram a minha fé em prova muitas vezes. Mas eu perseverei, precisava encontrar respostas.

O engraçado é que isso acontecia enquanto eu continuava vivendo a minha vida. Eu trabalhava, estudava, estava pensando em entrar na faculdade, ia a igreja, participava das atividades, louvava, orava, lia a biblía. E as vezes me sentia confrontada, mas continuava amando a Deus, um dia ele me mostraria sua verdade, eu acreditava,  só precisava de paciência para esperar.

Esperei, orei, aprendi que precisava colocar minha vida no centro da vontade de Deus, coloquei, orei, sofri, tudo dava errado, e então chorei, me senti só, sorri porque Deus cuidou de mim, chorei porque me senti só de novo, clamei, sorri, chorei... As coisas foram acontecendo e eu fui aprendendo várias lições (algumas já compartilhei aqui) e Deus foi me moldando conforme a sua vontade, de uma forma bem especial.

Eu fico imaginando o trabalhão que eu dei para Deus. Eu tinha tanto para ser moldado... A rebeldia, o coração duro, o ceticismo, a falta de amor, de alegria, e as vezes até de paz. Poucas pessoas conhecem os momentos mais negros da minha vida, e só Deus sabe como eu me sinto em relação a ela, por isso só ele me entende tão bem.

Aos 19 anos, a minha vida mudou completamente. Tudo foi um processo, lento e gradual, mas os últimos meses foram definitivos. Deus foi paciente e misericordioso, ele suportou meus questionamentos (embora tenha enviado alguns servos para me darem uns safanões) e esperou até que eu estivesse pronta para entender. Tudo por amor. E então ele falou ao meu coração.

Eu havia voltado de uma aula da faculdade, e como em tantas outras vezes, eu estava profundamente angustiada. Frequentemente eu voltava triste das aulas porque eu via tanta podridão, tanta coisa errada, tanta corrupção que me coração se abatia. Eu pensava na igreja, nas pessoas, nas tantas que morrem todos os dias (e vão para o inferno) por causa da maldade, da ganância, da injustiça e da perversão dos homens. Homens que muitas vezes se intitulavam filhos de Deus. E eu entrei no meu quarto e eu chorei... chorei como nunca havia chorado em toda a minha vida.
Eu não disse uma palavra a Deus, eu apenas chorei e chorei por muito tempo.

Eu não chorei só pelo mundo, eu chorei por minha causa. Pela primeira vez, eu havia entendido o quanto eu estava errada, o quanto eu precisava de Deus.

"ó Deus... eu entendo agora! É tudo por causa o pecado. Maldita é a terra e os homens por causa dele. Nós culpamos o senhor pela maldade que nós mesmos geramos entre nós. Nós amamos a iniquidade e ainda sim, queremos que o senhor nos livre dela. Quão burra eu fui! Perversa... Apesar de conhecer tua palavra."

Talvez você esteja pensando: Ela nunca leu a bíblia? E sim. Eu li, inúmeras vezes. Eu sempre soube que o pecado era a causa dos males do mundo, mas entre saber e entender existe uma grande diferença. Assim como ver não é a mesma coisa que sentir.

O impacto que isso causou na minha vida não tem tamanho. Eu percebi que estava completamente errada em tantas coisas e até hoje eu ainda estou. Não é fácil, não sou perfeita, mas hoje eu entendo. Deus me amou.

Entender o amor de Deus nos faz sofrer com a maldade do mundo de uma forma profunda. Aquele que não se entristece ao ver a desgraça pela qual os homens padecem, não compreendem o amor de Deus. E não, não estou julgando ninguém, mas isso é um fato. Eu explicarei porque:

Pense em quantas crianças nesse momento estão morrendo de fome em algum lugar do mundo. Pensou? Algumas delas vão morrer hoje. Você consegue imaginar a dor das mães dessas crianças, sem poder alimentar os próprios filhos? Agora imagine que elas não conheçam ao senhor... Você consegue imaginar a dor do coração de Deus? Que não pode estar perto de seus filhos tão amados? E seu eu disser que não só elas vão morrer, mas tantas outras. Todos os dias, a cada segundo, todo momento. Indo para o inferno.

As pessoas querem acreditar que não, que Deus é bom e ele não faria mal a seus filhos. Mas elas não entenderam que Deus não faz nada, nós que escolhemos amar o pecado.

O pior é que a gente se pergunta... Onde está a igreja? Onde está o amor? Cadê os filhos de Deus que deveriam ser luz em meio as trevas? Que deveriam anunciar as boas novas? E meu coração se angustia ainda mais, porque muitos deles estão ocupados com seus ministérios e congressos. Grandes shows, pregações, avivamento... Estão atarefados demais coletando recursos para construir templos grandiosos e sustentar a vaidade humana. E fica cada vez mais difícil encontrar alguém que chore junto comigo a degraça da humanidade. Ninguém se importa, ninguém entende.

Somos tão egoistas... Conhecemos a verdade e provamos do amor de Deus, mas tantas vezes nos preocupamos só com nós mesmos e nossos problemas tão pequenos. Queremos que Deus olhe para nós, entre na nossa casa, mexa com nossa estrutura, cure as nossas feridas... e pra que? Para continuar vivendo como se nada tivesse nos impactado. Como se tudo estivesse certo e no seu devido lugar, e ninguém precisasse ouvir sobre o amor de Deus. Para não dizer que nos conformamos, vamos nos domingos a igreja e lemos a bíblia. Sabe... de vez em quando até falamos de Jesus para alguém.

Ai. Ai. Ai de nós, porque cada dia o mundo fica pior.


Depois de alguns dias eu descobri que não estava sozinha nesse sentimento. Eu estava navegando na net e cai direto nesse vídeo que falou muito forte ao meu coração (assistam! vale a pena!). Era exatamente tudo o que eu estava vivendo. Eu eu glorifiquei a Deus porque ele ainda tem falado aos nosso corações. Apesar do pecado, da falta de fé e da nossa perversão, Deus não se esquece dos homens, porque ele nos ama!



E foi assim que eu fui impactada por Deus e experimentei o seu amor. Depois daquela noite já estive triste, feliz, em paz, em euforia, mas esse sentimento ainda continua vivo em meu coração e tem me movido a cada dia. Eu não consigo deixar de pensar nem um só minuto nas coisas que eu compartilhei com vocês. Eu sei que ainda tenho muito de aprender e deixar Deus moldar no meu coração, por isso não me julguem, entendam que eu sou falha e ainda tenho muitos defeitos. Todos nós somos. Por isso estamos aqui e padecemos em meio ao pecado.

Que vocês possam entender que apesar da angústia que possamos sentir pelo mundo, Deus nós dá esperança e nos enche de alegria. Eu nunca fui tão feliz como nos últimos meses. Sabem... Não é uma alegria terrena, não é uma esperança passageira, porque vem de Deus e não se corrompem com as notícias ruins. Eu continuo vendo as coisas erradas, mas agora eu sei que um dia elas não existiram mais e eu espero ansiosamente por esse dia. Enquanto isso, continuo vivendo em amor, amando a Deus sobre todas as coisas e amando o meu próximo, que ainda precisa ouvir esse testemunho de amor.

"A verdadeira alegria nasce da angústia. O verdadeiro amor nasce do batismo. Nada terreno te trará alegria. Nem um carro, nem uma casa, nem todo dinheiro do mundo. Apenas o amor de Deus nos preenche e nos dá sentido. Só pelo seu espírito podemos ser luz para o mundo."

Como comentar no Santa menina?

Oi meninas, td bem??? Olha a sumida aparecendo por aqui! hehehehe *vergonha*
Eu andei um pouco (na verdade um poucão! hahaha) atarefada nos últimos meses com a universidade, o trabalho, a vida pessoal e ficou meio difícil postar no Santa, mas em breve eu prometo que me estabilizo e volto a postar por aqui ok?!! Porque hoje, eu vim falar de um assunto muito importante: A participação de vocês no Santa menina! 

O Santa é um blog lindo que tem crescido a cada dia com a ajuda de vocês! (glória a Deus por isso!) O número de visitas dobra, mais pessoas ouvem sobre o amor e a verdade do reino, mas tudo isso poderia ser ainda mais legal se as leitoras fantasminhas* aparecessem por aqui!

Define leitoras fantasminha >> Aquelas que leem e visitam todos os dias mas não comentam! X)

E aí vocês se perguntam...

Porque comentar no SM?


Escrever em um blog não é tão fácil como parece! A responsabilidade é grande e muitas vezes não poder ver o rosto de quem está ouvindo nossas palavras (que embora sejam escritas, são como se fosse faladas ao nosso coração) dificulta muito. Quando vocês deixam um comentário, podemos perceber as reações e saber se estamos mesmo no caminho certo, porque as vezes podemos nos deixar levar pela emoção e quem sabe não falar algo errado?
Aí que vocês entram meninas, para concordar, discordar e acrescentar. Tudo isso faz parte do crescimento do blog e se feitos com respeito, contribuem para o crescimento espiritual de todas nós!

Por isso que nós (que escrevemos por aqui) amamos quando vocês deixa um comentário! Por mais simples que seja, faz tudo vale a pena, podem ter certeza disso! =)

Mas Jess... Eu não consigo comentar!


Sem problemas, vamos ao mini-tutorial que vai deixar a vida de todas vocês mais fácil.  Depois disso não tem desculpa viu?!! hihihihi todas vão poder comentar!

Dúvidas frequentes:

Preciso ter conta no google pra comentar?
Não!

Preciso me cadastrar em algum site?
Não!

Como faço para aparecer meu rostinho?
Só se você for cadastrada no blogger e tiver feito upload de uma foto sua lá. 

Vamos lá então?! Antes de mais nada, para comentar é preciso clicar em comentários (embaixo do titúlo de posts) e descer na página até o final, onde você vai encontar algo como isso:



A caixinha de texto é a parte onde você vai escrever seu comentário. Depois é so selecionar um perfil na parte comentar como, que pode ser:

Conta do google/livehournal/wordpress/typepad/aim/openid >> Essas contas são para quem é cadastrado em algum desses sites/sistemas. Se você já é cadastrado, é só se logar e enviar o comentário.

Nome/url >> Todas as pessoas podem comentar apenas deixando o nome. Assim que você selecionar essa opção, é só digitar seu nome e a url do blog/site (se tiver e quiser) e enviar o comentário. sem dificuldade, sem erro!

Anônimo >> Não é legal comentar como anônimo né?! Vamos deixar de lado o medo e a vergonha, agente quer conhecer vocês! hehehe

Se o comentário não aparecer de imediato não se preocupem! Ele foi para moderação e assim que agente ler ele será publicado =)

Aprenderam meninas? Tudo super fácil né?! Agora eu quero ver todas as bonitas comentando muito viu?! E juntas podemos crescer mais firmes no nosso Senhor!

PS. Aproveito para convidar as moças lindas que tem facebook para curtir a página do santa menina ali no lado direito da sidebar >>

sexta-feira, maio 20, 2011

Pelas ruas de Santiago com o Santa Menina na cabeça!

Hola chicas!

Para as meninas que não sabem, agora eu vivo em Santiago (Chi-chi-chi-le-le-le)! Essa semana fez três meses que cheguei. Estou aqui, estudando no Seminário Presbiteriano e trabalhando com a implantação da Igreja UNO

Aos poucos tenho me adaptado e tudo aqui tem sido bem da maneira de Deus: “muito bom!”. Para saber mais, vocês podem acessar meu Blog “de Bíblia, mala e cuia”, criado para ser uma espécie de informativo missionário…

Agora que resumidamente se inteiraram do assunto e entenderam metade do título do post, vamos a outra metade!

Eu amo quando estou nos meus afazeres diários, naquela loucura de vai e vem, faz isso e aquilo e em meio a tudo isso algo me faz parar. Algo chama a atenção e eu escolho prestar a atenção. E amo mais ainda quando essa escolha vem seguida de algo de Deus. Confesso pra vocês que esse tempo aqui no Chile, tem sido um tempo especial de cura de Deus pra mim como menina. Hoje, aconteceu um pouquinho de cada coisa: dia cheio, vai e vem, algo me faz parar, escolhi prestar a atenção, Deus fortaleceu um pouco mais daquilo que Ele mesmo tem restaurado em minha identidade feminina e um post pro Santa Menina surge! Assim, no meio da rua! (Nisso eu também aprendi que devo sempre andar com minha máquina fotográfica)

Moro quase ao lado de um dos bares mais “tops” aqui de Santiago, o The Clinic. Todos os dias o The Clinic nos presenteia com frases, em um quadro negro que fica na entrada! Eu amo as frases do The Clinic. São sempre verdadeiras, tem um tom de protesto, crítica social, revolução e despertam meu “Che Guevara” interior! Isso de maneira particular me encanta!

Hoje, mais uma vez a frase do The Clinic me fez parar e mais uma vez “concordei” com ela! E, mais uma vez, me fez andar contra o movimento! Mais uma vez, me fez desejar ainda mais nadar contra a correnteza (aqui cabe um parêntesis: como dizia uma amiga minha, “só peixes mortos seguem a correnteza)…

Eis o que dizia o The Clinic hoje:

100_0418

Traduzindo: “Tenho a impressão de que algumas pessoas querem que as mulheres voltem ao século passado, que se dediquem apenas a cozinha e aos filhos…”

“Concordo”, porque digo SIM! Se dedicar a maior parte do meu tempo e se preciso todo ele para cuidar dos meus filhos e cozinhar pra meu esposo for voltar ao século passado, sim! Quero voltar ao século passado!

Não sou contra a mulher trabalhar, estudar, crescer e quero deixar isso bem claro aqui. Mas, não entendo porque desmerecer algo que é tão importante – desculpem não posso comparar a função de cuidar de sua família com outra coisa, então vou corrigir minha frase! Não posso entender porque desmerecer a função de cuidar dos filhos e do esposo.

Seria uma profissão mais importante que filhos saudáveis física e emocionalmente?

Seria igualdade mais importante que assumir seu papel de “parte mais frágil”e se deixar cuidar pelo cara que te convidou a passar sua vida ao lado dele?

O que há de errado uma mulher escolher dedicar-se integralmente a seu esposo, filhos e casa?

Sem mais blá blá blá, tudo que peço é que orem e deixem Deus trazer ao coração de vocês a identidade feminina que ele criou para viver em vocês! Descontaminem-se das influências feministas que subjugam o “ser mulher em sua essência” a uma atividade do passado!

Estou segura que se muitas mulheres “voltassem ao passado”, hoje teríamos um número incrivelmente maior de crianças saudáveis emocionalmente, adultos seguros, esposos mais felizes e sem dúvida, mulheres mais realizadas! Nada se compara a sensação de estar no lugar onde você foi feita pra estar, fazendo o que você foi feita pra fazer!

Um forte abraço, de alguém, que segundo a frase do dia do bar The Clinic, “quer voltar ao passado”!

sexta-feira, maio 13, 2011

Santa Menina Entrevista: Daniela Araújo

Voltamos em grande estilo com a tag “Santa Menina Entrevista”. Daniela Araújo, nossa entrevistada, canta desde os 3 anos de idade, gravou 12 discos com seus irmãos (Turma do Barulho), está finalizando seu primeiro trabalho solo e vive cercada de grandes nomes da música gospel. Filha de Jorge Araújo e Eula Paula (mais conhecidos nas décadas de 80 e 90), Daniela é casada com Leonardo Gonçalves e tem Paulo César Baruk como padrinho de casamento. E esse é apenas um resumo dos bons nomes que a cercam.

5075930952_180f97df4b_z
Foto: Leone Sena

Mas nenhum desses nomes conseguem ofuscar seu talento próprio. Basta fazer uma pesquisa rápida no Google pra encontrar milhares de referências ao seu trabalho. Além disso, ela é blogueira (como nós \o/), super estilosa e atenciosa, afinal, aceitou ser entrevistada pro Santa Menina sem pensar duas vezes. Na entrevista, Daniela Araújo fala sobre Deus, família, música e estilo. Imperdível! 

sábado, maio 07, 2011

Música "Apenas uma Menina", Francine Veríssimo


Oi meninas! Não sei nem se vocês se lembram de mim, eu sou a Francine, do blog TruthFaithLove, e colaboradora do Santa na área de Missões; postei aqui só duas vezes. Hoje venho mostrar pra vocês mais uma de minhas músicas. Eu sei que música não é diretamente relacionada com Missões, mas eu creio que há uma ligação forte entre as duas coisas, quando a música tem caráter missionário/evangelístico, não é?

Bom, essa música se chama "Apenas uma Menina", e a mensagem dela é quem eu sou aos meus próprios olhos. De vez em quando é bom parar um pouco pra se analisar, se conhecer melhor. Porque apesar de termos sido chamados pra sermos não mais nós, mas Ele, ainda assim temos nossas características pessoais que precisam ser conhecidas por nós mesmos. Acredito que a letra dela fará com muitas de vocês também se identifiquem, por isso sugeri à Ju que eu postasse ela aqui. Espero que vocês gostem!!

Um beijão!!