sexta-feira, maio 20, 2011

Pelas ruas de Santiago com o Santa Menina na cabeça!

Hola chicas!

Para as meninas que não sabem, agora eu vivo em Santiago (Chi-chi-chi-le-le-le)! Essa semana fez três meses que cheguei. Estou aqui, estudando no Seminário Presbiteriano e trabalhando com a implantação da Igreja UNO

Aos poucos tenho me adaptado e tudo aqui tem sido bem da maneira de Deus: “muito bom!”. Para saber mais, vocês podem acessar meu Blog “de Bíblia, mala e cuia”, criado para ser uma espécie de informativo missionário…

Agora que resumidamente se inteiraram do assunto e entenderam metade do título do post, vamos a outra metade!

Eu amo quando estou nos meus afazeres diários, naquela loucura de vai e vem, faz isso e aquilo e em meio a tudo isso algo me faz parar. Algo chama a atenção e eu escolho prestar a atenção. E amo mais ainda quando essa escolha vem seguida de algo de Deus. Confesso pra vocês que esse tempo aqui no Chile, tem sido um tempo especial de cura de Deus pra mim como menina. Hoje, aconteceu um pouquinho de cada coisa: dia cheio, vai e vem, algo me faz parar, escolhi prestar a atenção, Deus fortaleceu um pouco mais daquilo que Ele mesmo tem restaurado em minha identidade feminina e um post pro Santa Menina surge! Assim, no meio da rua! (Nisso eu também aprendi que devo sempre andar com minha máquina fotográfica)

Moro quase ao lado de um dos bares mais “tops” aqui de Santiago, o The Clinic. Todos os dias o The Clinic nos presenteia com frases, em um quadro negro que fica na entrada! Eu amo as frases do The Clinic. São sempre verdadeiras, tem um tom de protesto, crítica social, revolução e despertam meu “Che Guevara” interior! Isso de maneira particular me encanta!

Hoje, mais uma vez a frase do The Clinic me fez parar e mais uma vez “concordei” com ela! E, mais uma vez, me fez andar contra o movimento! Mais uma vez, me fez desejar ainda mais nadar contra a correnteza (aqui cabe um parêntesis: como dizia uma amiga minha, “só peixes mortos seguem a correnteza)…

Eis o que dizia o The Clinic hoje:

100_0418

Traduzindo: “Tenho a impressão de que algumas pessoas querem que as mulheres voltem ao século passado, que se dediquem apenas a cozinha e aos filhos…”

“Concordo”, porque digo SIM! Se dedicar a maior parte do meu tempo e se preciso todo ele para cuidar dos meus filhos e cozinhar pra meu esposo for voltar ao século passado, sim! Quero voltar ao século passado!

Não sou contra a mulher trabalhar, estudar, crescer e quero deixar isso bem claro aqui. Mas, não entendo porque desmerecer algo que é tão importante – desculpem não posso comparar a função de cuidar de sua família com outra coisa, então vou corrigir minha frase! Não posso entender porque desmerecer a função de cuidar dos filhos e do esposo.

Seria uma profissão mais importante que filhos saudáveis física e emocionalmente?

Seria igualdade mais importante que assumir seu papel de “parte mais frágil”e se deixar cuidar pelo cara que te convidou a passar sua vida ao lado dele?

O que há de errado uma mulher escolher dedicar-se integralmente a seu esposo, filhos e casa?

Sem mais blá blá blá, tudo que peço é que orem e deixem Deus trazer ao coração de vocês a identidade feminina que ele criou para viver em vocês! Descontaminem-se das influências feministas que subjugam o “ser mulher em sua essência” a uma atividade do passado!

Estou segura que se muitas mulheres “voltassem ao passado”, hoje teríamos um número incrivelmente maior de crianças saudáveis emocionalmente, adultos seguros, esposos mais felizes e sem dúvida, mulheres mais realizadas! Nada se compara a sensação de estar no lugar onde você foi feita pra estar, fazendo o que você foi feita pra fazer!

Um forte abraço, de alguém, que segundo a frase do dia do bar The Clinic, “quer voltar ao passado”!

9 comentários:

  1. shauhsuahsuahshsuahsuahsuhaushauhsuahs muito bom o post, quando pensei que ela ia falar um monte das pessoas que querem que as mulheres voltem ao século passado, ela vai e nos surpreende mostrando que cuidar do marido e dos filhos, não é um bicho de sete cabeças. é admirável uma mulher dar conta de tudo isso, cuidar da casa, das crianças, correria o dia todo, e elas dão conta. mulheres são mais machos que os homens nisso née!?

    ResponderExcluir
  2. bate aqui. Eu concordo muito com isso, mesmo que eu tenho que morrer pra minha vontade de mandar em mim, as diferenças de 'função' entre homem e mulher no casamento e na vida são dadas por Deus e querer igualdade em tudo é umas das causas de tanto divorcio e familias desestruturadas

    ResponderExcluir
  3. Eu tô achando d+ essa vibe de reconstrução da identidade feminina que a Kami tá trazendo pro Santa... Acho que todas precisamos pensar um pouquinho nisso - e eu ando precisando pensar um pocão, hehe

    ResponderExcluir
  4. É isso ai minha gente! Santa Menina Internacional! ;)

    ResponderExcluir
  5. Quando comecei a ler o post achei que você ia falar o oposto disso. Tão bom ver que mais meninas pensam assim, eu quero a minha independência, mas não acho que isso seja mais importante do que cuidar dos filhos e do marido. Sempre achei que tinha nascido na época errada rsrs bjs

    ResponderExcluir
  6. Kami!!!

    parabens pelo post!!!
    É isso ai, vamos andar conforme Deus nos ensina e nao nos deixar influenciar com os modelos desse mundo!

    ResponderExcluir
  7. Ótimo post! Eu luto comigo mesma em relação a essa questão, mas agir conforme Deus ensinou evita muuita dor de cabeça...

    ResponderExcluir
  8. adoros seus textos KamI!
    Por esses dias começo ume studo sobre como o feminismo afeta as mulheres cristãs e vc tem me ajudado!!
    continue deixando Deus te usar!!!
    bjokitasssssssss

    ResponderExcluir
  9. Concordo...
    sem mais palavras...

    ResponderExcluir

Comentários ofensivos, difamatórios ou com conteúdo ilicito proibido por lei serão deletados e o seu autor bloqueado não podendo mais visitar esse site.

Deixe sua opinião sincera, discuta, critique e sugestione mas com muita educação, do contrário também será bloqueado :)

Para ter a sua foto nos comentários desse blog é preciso cadastro no Blogger